FECHAR
FECHAR
18 de outubro de 2019
Voltar
Escavadeiras

O posicionamento da máquina

Além da tecnologia embarcada, índices de produtividade no carregamento e transporte de material também estão diretamente atrelados à posição de trabalho do equipamento
Por Santelmo Camilo

Atualmente, muito se fala do impacto da tecnologia na produtividade, e não é sem motivo. A eletrônica impacta diretamente nos resultados operacionais das frotas. No entanto, em se tratando de máquinas pesadas de produção, há ainda um fator que nunca deixará de afetar igualmente as operações de equipamentos como escavadeiras: a destreza do operador nos ciclos de trabalho.

É certo que as escavadeiras – principalmente na faixa de 20 t – se notabilizam por esbanjar versatilidade. São equipamentos que operam de forma estacionária, com capacidade de giro de 360º e que, portanto, permitem uma total diversidade de posições de trabalho. E esse aspecto merece especial atenção, pois os índices de produtividade no carregamento e transporte de material estão atrelados ao posicionamento de trabalho da escavadeira em relação ao caminhão.

As posições na praça de carregamento podem variar conforme a aplicação, material, espaço e logística de caminhões

De saída, especialistas ouvidos nesta reportagem são categóricos em afirmar que o melhor posicionamento das escavadeiras tem conexão direta com o tipo e local de trabalho que está sendo executado. Ou seja, as posições mais adequadas para a máquina trabalhar na praça de carregamento podem variar conforme a aplicação, tipo de material escavado, espaço disponível e logística de caminhões, dentre outros fatores.

Em operações com grande volume de material, é possível ganhar produtividade no carregamento – desde que haja espaço suficiente de manobra para os equipamentos de carga – ao se posicionar a escavadeira em uma bancada, em um nível superior e atrás dos caminhões. “Nesse caso, as escavadeiras trabalham com giros menores que 180o”, explica Ricardo Zurita, gerente de marketing de produto da Komatsu.

Já nos casos com restrição de espaço para manobras, o mais indicado é utilizar posicionamento lateral ou traseiro aos caminhões, ambos no mesmo nível. “Em obras de infraestrutura urbana, por exemplo, é comum que a máquina seja posicionada atrás dos caminhões, respeitando-se as distâncias mínimas de segurança, mas no mesmo nível do solo, em carregamentos com giro de 180o”, completa.