13 de setembro de 2017 - 23h01

Congresso debate mineração e objetivos de desenvolvimento sustentável

O assunto será tema de destaque durante a programação do 17º Congresso Brasileiro de Mineração, fórum que acontece simultaneamente Exposibram

Fonte: Assessoria de Imprensa

A mineração é um dos setores empenhados em entender de que forma o desenvolvimento de suas atividades está atrelado ao cumprimento das metas estabelecidas pela Agenda 2030 – plano de 17 ações da Organização das Nações Unidas (ONU) e suas 169 metas para o progresso do planeta.

O assunto será tema de destaque durante a programação do 17º Congresso Brasileiro de Mineração, fórum que acontece simultaneamente a Exposição Internacional de Mineração (Exposibram).

O evento, promovido pelo Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM), ocorre entre os dias 18 a 21 de setembro, em Belo Horizonte, MG.

Para Isis Pagy, diretora-presidente da Fundação Vale, o evento servirá de espaço para trocas de experiências sobre a atuação das empresas do setor junto aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS).

“O resultado desse painel pode pautar uma boa agenda de trabalho com o governo, visando o desdobramento dos objetivos globais de metas para o país”.

Para Isis, os ODS são fundamentais para o futuro do setor mineral mundial.

“Os objetivos globais representam uma oportunidade para a indústria da mineração além de reforçar suas práticas de sustentabilidade, em especial a gestão de riscos e impactos socioambientais, focar seu investimento social voluntário em objetivos comuns, articulados de forma intersetorial, voltados para o desenvolvimento local dos territórios onde as mineradoras operam”, afirma.

A contribuição do setor mineral para essa agenda se dá em dois níveis: interno e externo.

“No âmbito interno, as empresas precisam gerir os impactos negativos/positivos e identificar as oportunidades/ameaças socioambientais de seus negócios, em temas abrangentes como direitos humanos e mudanças climáticas”, diz Isis.

“No âmbito externo, as empresas precisam atuar em conjunto com diversos stakeholders locais, se reconhecendo como parte do processo, alinhando as expectativas de todas as partes e realmente contribuindo com o desenvolvimento dos territórios em questão”, analisa.

HOME | QUEM SOMOS | ASSOCIADOS | FALE CONOSCO | MEU CADASTRO