FECHAR
19 de dezembro de 2019
Voltar

TENDÊNCIAS

Tecnologia Autodesk suporta projeto de duplicação da rodovia Raposo Tavares

Realizado pela Pron Engenharia, projeto é o primeiro do país para estradas realizado em BIM (Building Information Modeling).
Fonte: Assessoria de Imprensa

A Pron Engenharia, empresa especializada em consultoria, elaboração de projetos de engenharia e supervisão de obras, acaba de concluir o projeto de duplicação de um trecho de 40 quilômetros da rodovia Raposo Tavares, no Estado de São Paulo.

O projeto foi o primeiro do país para estradas realizado em BIM (Building Information Modeling) e levou apenas três anos para ser concluído.
O BIM Manager da Pron, Eduardo Cursino, explica que, iniciado 2016, o projeto só foi concluído neste prazo graças ao uso da metodologia BIM e ao suporte da suíte AEC Collection da Autodesk.

“O uso da metodologia nos permitiu entregar o projeto em um prazo menor e com informações mais consistentes, identificando e solucionando problemas que só apareceriam no decorrer da obra”, diz.

Com o uso do BIM, o projeto executivo entregue fornece todas as informações necessárias para que a empreiteira possa realizar a obra.

Para tanto, ele prevê o que será realizado em todas as disciplinas envolvidas, tais como geometria, terraplenagem, pavimentação, drenagem, sinalização, segurança, topografia e desapropriação, entre outros.

“Tudo isso é planejado em um ambiente virtual 3D, com inteligência de informação, que via...


A Pron Engenharia, empresa especializada em consultoria, elaboração de projetos de engenharia e supervisão de obras, acaba de concluir o projeto de duplicação de um trecho de 40 quilômetros da rodovia Raposo Tavares, no Estado de São Paulo.

O projeto foi o primeiro do país para estradas realizado em BIM (Building Information Modeling) e levou apenas três anos para ser concluído.
O BIM Manager da Pron, Eduardo Cursino, explica que, iniciado 2016, o projeto só foi concluído neste prazo graças ao uso da metodologia BIM e ao suporte da suíte AEC Collection da Autodesk.

“O uso da metodologia nos permitiu entregar o projeto em um prazo menor e com informações mais consistentes, identificando e solucionando problemas que só apareceriam no decorrer da obra”, diz.

Com o uso do BIM, o projeto executivo entregue fornece todas as informações necessárias para que a empreiteira possa realizar a obra.

Para tanto, ele prevê o que será realizado em todas as disciplinas envolvidas, tais como geometria, terraplenagem, pavimentação, drenagem, sinalização, segurança, topografia e desapropriação, entre outros.

“Tudo isso é planejado em um ambiente virtual 3D, com inteligência de informação, que viabiliza a verificação de tudo o que foi projetado e, posteriormente, seu acompanhamento”, afirma.

Engenheiro civil da Pron, Roberto Storti explica que, com o uso da suíte AEC Collection da Autodesk, todas essas informações se transformam em um processo de construção virtual.

“Nos projetos 2D, é muito difícil ter a real dimensão da obra. Com o uso de 3D suportando a metodologia BIM, conseguimos ver onde os diferentes elementos se integram. Isso nos permite visualizar o detalhamento do projeto e reduzir bastante eventuais correções”, explica, lembrando que o projeto entregue foi até o nível do planejamento.

Segundo Storti, a partir da adoção das soluções Autodesk para gestão de BIM, a Pron consegue trabalhar projetos complexos com muito mais qualidade e assertividade, reduzindo as paradas ao longo das obras para ajustes de rota.

Modelagem com BIM
Já há alguns anos a Pron trabalha com a metodologia BIM. Cursino lembra que a companhia já trabalhava com soluções da Autodesk em seus projetos, que foram mantidas após a adoção da metodologia.

“Tínhamos experiência com as soluções e, além disso, a Autodesk foi fundamental no suporte ao engajamento com os projetos e na transferência de conhecimento”, ressalta.

O executivo lembra que a adoção do BIM representou uma mudança não apenas interna, mas também da relação do trabalho com o cliente. Neste ponto, ele recorda que a relação com a Autodesk permitiu uma troca de informações muito maior ao longo dos projetos, ajudando a solucionar questões surgidas em todas as fases e no fluxo entre as diferentes disciplinas.

“Para isso, criamos internamente novas políticas de trabalho que envolvem um valioso fluxograma de tarefas, responsabilidades e gerenciamento das atividades que ilustram a complexidade e a riqueza de informações que um trabalho modelado pode oferecer”, diz. Este novo modelo de organização tem impacto direto na relação com o cliente, já que mudam as formas de acompanhamento e avaliação do trabalho.

Cursino explica que as mudanças vêm da nova forma de enxergar o que está sendo feito, agora mais intuitiva e envolvente. “Todos os elementos do projeto estão conectados quando apresentados no Navisworks, que é essencial para o acompanhamento, elaboração e aprovação de um projeto, com aferição por meio de seu clash detection e extração de planilha de quantidades”, ressalta, citando o Civil 3D, Revit, Infraworks e Navisworks como os principais programas da Autodesk utilizados.