FECHAR
FECHAR
20 de agosto de 2019
Voltar

RESULTADOS

Scheffer compra carregadeiras SDLG para atuar no segmento algodoeiro

As carregadeiras SDLG vão contribuir este ano na expansão do segmento algodoeiro do grupo, que está plantando 58 mil hectares de algodão no estado do Mato Grosso
Fonte: Assessoria de Imprensa

Uma das maiores empresas agrícolas de produção de algodão do Brasil, a Scheffer fechou a compra de 12 carregadeiras sobre rodas L936 da SDLG.

Comercializadas pela Tecnoeste, o distribuidor Volvo e SDLG no Mato Grosso e no Mato Grosso do Sul, as máquinas vão operar em um variado número de aplicações, desde o plantio até o transporte final do produto para a exportação.

As carregadeiras SDLG vão contribuir este ano na expansão do segmento algodoeiro do grupo, que está plantando 58 mil hectares de algodão no estado do Mato Grosso, um volume 27% maior do que os 46 mil hectares plantados na safra de 2018.

“Fizemos alguns testes com a L936 e gostamos dos resultados, principalmente por causa da versatilidade e da robustez”, afirma Marcio Maldonado, gerente de mecanização agrícola da Scheffer.

A empresa usa muitas máquinas em todo o seu processo produtivo e precisa de equipamentos que tenham tecnologia na medida certa. “A carregadeira L936 foi bem aceita pelo nosso pessoal de operação”, diz Maldonado.

Os equipamentos foram entregues com o conhecido engate rápido da SDLG, uma peça que permite a troca de implementos sem que o operador precise descer da máquina.

“Isto facilita e agiliza o trabalho, além de dar mais segurança à operação”, afirma Boris Sánchez, gerente regional de suporte a vendas da Volvo CE Latin America.

“É uma máquina muito versátil”, complementa Gilson Capato, diretor comercial da Volvo CE e da SDLG no Brasil. A SDLG entregou caçambas de 3 metros cúbicos para serem utilizadas no transporte de caroço do algodão, bem maiores que as caçambas padrão de 1,8 m³.

Diferentes aplicações

“Usando vários implementos, as máquinas serão usadas em diferentes aplicações”, declara Marcelo Meyer, diretor da Tecnoeste, ao lembrar que as carregadeiras transportarão, por exemplo, rolos de algodão de 2,5 toneladas com um garfo de três pontas.

Elas também vão levar fardos de 400 quilos de algodão com uma peça chamada Clamper, em trabalhos dentro de barracões.