FECHAR
FECHAR
05 de dezembro de 2018
Voltar

Empresas

Sandvik Coromant reúne indústria em São Paulo para discutir eficiência e conectividade

Executivos de indústrias automobilística, de óleo e gás, metalmecânica, aeroespacial e entidades de classe estiveram com diretores da companhia para discutir os impactos da indústria 4.0 nos rumos do parque industrial brasileiro
Fonte: Assessoria de Imprensa

Eficiência na usinagem é um tema permanente. A questão crucial é como as companhias podem alcançar melhor produtividade, já que o desenvolvimento de novas tecnologias traz mudanças sem volta – principalmente na hora de combater gastos desnecessários.

“Quando olhamos para a área de usinagem de uma indústria, nos deparamos com muitos desperdícios”, comenta Jeff Rizzie, diretor de Usinagem Digital para as Américas da Sandvik Coromant.

O executivo participou de encontro, organizado pela empresa, na sede do Sinfer/ABFA, em São Paulo, no último dia 27.

Segundo o executivo, um dos problemas é que as pessoas ainda armazenam conhecimento de uma forma antiga. “Ainda temos que lembrar como fizemos algo pela última vez olhando em cadernos”, diz.

Então, como navegar por entre toda essa informação de forma mais prática, e transformar isso em procedimentos e produtos melhores? A resposta está na tecnologia digital.

“Precisamos ser mais eficientes: atualmente, durante 60% do tempo, as máquinas de usinagem estão fazendo algo que não é a criação de um bom produto”.

A empresa reuniu cerca de 20 empresários e representantes de associações baseadas no Brasil para mostrar novas soluções que estão transformando o mercado de bens de capital e a indústria metalmecânica, óleo e gás, automotiva, aeroespacial, entre outras.

O evento “Digitalização na Indústria – soluções que lideram e conectam”, capitaneado pelo presidente da Sandvik Coromant Brasil – Claudio Camacho – também recebeu Sean Holt, presidente da companhia para as Américas e Horacio Aragonés Forjaz (Relações Institucionais da FAPESP).

“A ideia não é fazer uma apresentação sobre indústria 4.0, mas reunir pessoas de destaque que têm o mesmo objetivo: trazer essa usinagem digital para o nosso dia a dia. É a oportunidade de criar um grupo de discussão”, comenta Camacho.

“O fato é que a maneira como gerenciamos nossas máquinas no chão de fábrica precisa mudar – prossegue Rizzie – mas muitos profissionais, engenheiros e outros, não percebem isso. Muitas vezes pensamos que estamos operando com 70% de eficiência, quando na verdade a média do seu processo fabril é de 40%”.

Para o jornalista Renato Cruz, especializado em tecnologia e presente no evento, “a indústria 4.0 engloba aspectos de uma empresa por inteiro, é uma mudança cultural, e não só de tecnologia”. Ele mostrou números da consultoria McKinsey que apontam que 50% das atividades performadas por seres humanos hoje podem ser feitas por robôs.

Produção editorial: Revista M&T – Desenvolvido e atualizado por Diagrama Marketing Editoral