FECHAR
FECHAR
03 de junho de 2019
Voltar

TENDÊNCIAS

Herrenknecht realiza evento sobre tendências em tuneladoras

Em seminário que aconteceu em SP, a fabricante alemã abordou sobre o que há de mais atual em tuneladoras (TBM) aplicados em obras ao redor do mundo
Fonte: Assessoria de Imprensa

Nos dias 30 e 31 de maio, a fabricante alemã Herrenknecht, que produz tuneladoras com diâmetros variados para diversas condições de solo, realizou na capital paulista o Seminário de Túneis.

O evento, explica Juan Manuel Altstadt, diretor da Herrenknecht, abordou sobre o que há de mais atual em tuneladoras (TBM) aplicados em obras ao redor do mundo, equipamentos periféricos para TBMs, equipamentos especiais para construção de dutos, shafts e mineração, apresentados por especialistas.

Julio Pierri, engenheiro da Construtora Norberto Odebrecht falou a respeito do EPB Shield S-769 híbrido que atuou nas obras para a construção da Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro.

O projeto dessa metroviária carioca tem um total de 16 km de extensão e seis estações, que compõem a principal rota de acesso até a Barra da Tijuca, na Zona Oeste da cidade.

Fabricada pela Herrenknecht, a TBM (Tunnel Boring Machine) tem 11,53 m de diâmetro, 2.700 toneladas, customizado para escavação em rocha e areia, força de empurre máxima de 141.000 kN e possui capacidade quatro vezes maior de escavação (até 18 m por dia).

Devido à complexidade, pois tratou-se da maior obra de infraestrutura urbana realizada nos últimos anos na América Latina, a obra foi reconhecida em âmbito internacional com a conquista do ITA Tunnelling Awards 2016, considerado o maior prêmio do setor de construção de túneis do mundo, superando projetos na Noruega, Reino Unido, Finlândia e Cingapura.

“A EPB híbrida permite manter o nível dos assentamentos em uma faixa desejável, oferece um alto grau de segurança, uma vez que mantém a câmara continuamente cheia de pasta sólida, não necessita de se montar e operar uma central de desarenação fora do túnel, permite estender a faixa de aplicação da tecnologia EPB para areias mais grossas e fornece maior flexibilidade para lidar com condições variáveis do solo”, diz Pierri.

De acordo com o especialista, para o futuro, a tecnologia híbrida EPB representa um divisor de águas no processo de seleção de tecnologia de TBMs.