FECHAR
FECHAR
09 de janeiro de 2019
Voltar

Transporte

Governo busca alternativas para o transporte de carga

Objetivo é usar a tecnologia semelhante ao Uber para criar ferramentas que consigam conectar empresas e caminhoneiros, eliminando atravessadores
Fonte: O Estado de S. Paulo

A equipe do novo governo está criando ferramentas de tecnologia da informação para tentar desatar o nó no transporte rodoviário de cargas.

A ideia é usar aplicativos semelhantes ao Uber para conectar empresas e caminhoneiros, eliminando os atravessadores.

“Hoje, o embarcador paga caro pelo frete e o caminhoneiro recebe pouco”, diz Tarcísio Gomes de Freitas, ministro da Infraestrutura.

Independente da nova ferramenta, o governo Bolsonaro manterá uma tabela com preços mínimos do frete. Como diz a lei aprovada pelo Congresso no ano passado, serão valores suficientes para cobrir os gastos operacionais dos caminhoneiros, principalmente com óleo diesel e pedágios.

As propostas serão apresentadas a caminhoneiros e empresas na próxima semana. “Estamos otimistas, porque está todo mundo disposto a discutir a tabela, incluindo o setor produtivo”, destaca Freitas.

Segundo ele, há três ou quatro soluções tecnológicas que serão apresentadas.

As empresas são contra o tabelamento do frete e entraram com ações no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo inconstitucionalidade da medida.

Há três ações sob a relatoria do ministro Luiz Fux, sem data para julgamento. As empresas reclamam de prejuízos com o aumento do custo do transporte e caminhoneiros ameaçam nova greve se o tabelamento for revogado.

Se nada for feito, o conflito deve se acirrar a partir de fevereiro, com o início da colheita da safra agrícola. O governo quer o fim do impasse antes disso.

A lei prevê que a tabela de frete deve ser revista e reeditada dias 20 de janeiro e 20 de julho. A próxima versão é a oportunidade para lançar um conjunto de tabelas possível de ser cumprido por ambos lados.

Os preços em vigor foram fixados na correria, para encerrar a greve, e até mesmo os caminhoneiros admitem erros.

“Vamos negociar a tabela do frete com todo mundo”, diz Freitas. “Queremos criar uma tabela que possa atender aos interesses de todos.”

Na sua visão, a solução para o impasse do frete poderá continuar em uso, independente do que o STF decidir.

A política de subsídio ao diesel, que garantiu desconto de R$ 0,46 por litro, terminou no dia 31. Decidida em meio à paralisação dos caminhoneiros, em maio, previa gasto de até R$ 9,5 bilhões em recursos públicos só no ano passado para bancar a redução de preços.

Freitas diz que a manutenção dessa política está em análise, mas acredita que o fim do subsídio não tem impacto significativo no preço, pois a cotação internacional do petróleo e o câmbio recuaram.