FECHAR
29 de abril de 2019
Voltar

TENDÊNCIA

Cresce a procura por caminhões pela internet

Levantamento do Mercado Livre aponta que do total das visitas aos classificados de veículos, 17% dizem respeito a pesados
Fonte: O Estado de S. Paulo

A área de classificados do Mercado Livre, umas das maiores plataformas de comércio online da América Latina, apurou crescimento de 49% nas buscas por caminhões em 2018.

No Brasil, o segmento já representa 17% do total das buscas por veículos, em universo de 25 mil anúncios visualizados por mês dentre novos e usados.

“O segmento de caminhão vem ganhando representatividade na plataforma ao longo do tempo, embalado também em virtude do aquecimento do mercado, especialmente no país, pois as buscas no segmento nos demais países da América Latina representam 3%”, conta Luís Paulos dos Santos, diretor de classificados do Mercado Livre no Brasil.

A maior intensidade na demanda por caminhões no ambiente virtual foi espelho das vendas efetivamente realizadas no mercado.

Segundo os dados da Fenabrave, federação que representa os distribuidores de veículos, no ano passado 355,9 mil caminhões usados mudaram de proprietário, avanço de 4,5% na comparação com 2017, quando as transferências somaram 344,5 mil.

Além do aquecimento do mercado, a evolução identificada pela área de classificados do Mercado Livre também diz respeito às facilidades proporcionadas pela plataforma durante a jornada de compra do interessado, como a Reserva Online.

De acordo com Santos, a função permite ao comprador depositar pequeno sinal, entre R$ 500 e R$ 4 mil, para reservar o bem. Caso a compra não seja efetivada, o valor é devolvido ao comprador ou com conclusão do negócio, a reserva segue para o vendedor.

“Trata-se de um valor baixo perto do tíquete médio do segmento. Em torno de 30% das buscas são de veículos de R$ 100 mil a R$ 300 mil”, diz Santos. “O próximo passo será dispor da possibilidade de poder pagar entrada, contratar financiamentos e seguros”, adianta.

Nos classificados da plataforma, a maior parte das buscas é por caminhões Mercedes-Benz, seguido pela Scania, Volkswagen, Volvo e Ford.