FECHAR
03 de maio de 2019
Voltar
Pneus / Vertente avançada de gestão

Quando surgiu, o CyberFleet utilizava a tecnologia RFID (Radio-Frequency IDentification, ou Identificação por Radiofrequência) para enviar a uma rede as informações provenientes dos sensores. Lançada na Europa no ano passado, a versão mais recente do sistema está chegando agora ao Brasil, utilizando a tecnologia Bluetooth como substituta do RFID. “Assim, as informações podem seguir diretamente para um celular, com o gerenciamento sendo realizado por meio de um aplicativo”, complementa Gali.

Nova versão do Savetyre possibilita leitura de dados diretamente dos gates por onde passam os veículos

De fato, o CyberFleet pode constituir-se em um instrumento bastante efetivo de redução dos custos com pneus. É o que reitera Márcio Toscano, diretor de marketing, comercial e de pós-venda da Autotrac, empresa que inclui essa tecnologia em um portfólio de soluções para operadores de transporte que também conta com recursos de telemetria e rastreamento. “Estudos mostram que apenas com o controle correto de pressão e temperatura é possível aumentar em mais de 20% a vida útil do pneu”, afirma o especialista.

Vulcanizado por dentro dos pneus, o chip utilizado pelo CyberFleet inclui bateria com vida útil de cinco anos e mantém-se intacto mesmo em pneus submetidos a reforma. Ao menos por enquanto, todavia, essa tecnologia ainda não é utilizada em larga escala no Brasil, até porque o mercado nacional precisa conhecê-la melhor. “A necessidade de conhecimento é comum a toda nova tecnologia”, pondera o profissional da Autotrac, empresa sediada em Brasília e cuja carteira de clientes já abrange cerca de 20 mil empresas de logística e 25 mil caminhoneiros autônomos. “Até mesmo o rastreamento era olhado com ceticismo quando chegou, mas agora ninguém mais vive sem ele.”

GANHOS

Sediada em Campinas (SP), a empresa Saveway disponibiliza um sistema de gestão de pneus denominado Savetyre, que também requer chips nos pneus. Atualmente, a leitura das informações captadas por esses sensores é feita nos locais em que os veículos estão estacionados, por meio de leitores ali fixados ou manuseados por operadores. “Contudo, no segundo semestre deste ano lançaremos a nova geração dessa tecnologia, que entre outras novidades trará a possibilidade de leitura das informações de pressão e temperatura dos pneus em gates (portões), por onde passam os veículos”, adianta José Caruso Gomes, diretor da Saveway.