FECHAR
15 de agosto de 2019
Voltar
Manutenção

Sem contaminação

O uso de filtros de boa qualidade e a atenção ao período de troca podem evitar não só a perda de performance do motor, mas também o consumo excessivo de combustível
Por Evanildo da Silveira

Os filtros são peças fundamentais para o bom funcionamento de quaisquer veículos, sejam automóveis, tratores, caminhões ou máquinas pesadas como, por exemplo, pás carregadeiras ou retroescavadeiras. Sua função é evitar que impurezas, sujeiras, resíduos e outros detritos entrem em contato com os componentes, o que pode causar danos de alto custo ao motor.

Segundo Ricardo Tsuyama, engenheiro de serviços da Komatsu, há funções específicas para cada um dos tipos de filtro: de óleo, de combustível e de ar.

“No caso do de óleo, sua finalidade é evitar que tanto a contaminação gerada pelo desgaste de componentes mecânicos como a proveniente do meio externo circulem no sistema hidráulico e, assim, causem desgaste prematuro nos componentes lubrificados”, diz ele.

Já Luiz Malaquias, supervisor de serviços da JCB do Brasil, destaca que o filtro é desenvolvido para eliminar impurezas como partículas de metal geradas pela fricção das peças móveis do motor, além das derivadas da combustão. “O contato das peças internas do motor, como pistões, pode deixar impurezas”, explica. O de combustível, por sua vez, é responsável por bloquear as impurezas antes da combustão. “Localizado entre o tanque e o motor, ele evita que partículas acumuladas durante o transporte e armazenamento – como pó, ferrugem e água – cheguem à bomba de combustível e ao bico injetor”, completa Malaquias.

Nesse ponto, Tsuyama ressalta que o filtro “evita a circulação de contaminação no sistema de combustível da máquina, que pode causar problemas como o travamento de bicos injetores e falha na bomba de injeção&rdqu


Os filtros são peças fundamentais para o bom funcionamento de quaisquer veículos, sejam automóveis, tratores, caminhões ou máquinas pesadas como, por exemplo, pás carregadeiras ou retroescavadeiras. Sua função é evitar que impurezas, sujeiras, resíduos e outros detritos entrem em contato com os componentes, o que pode causar danos de alto custo ao motor.

Segundo Ricardo Tsuyama, engenheiro de serviços da Komatsu, há funções específicas para cada um dos tipos de filtro: de óleo, de combustível e de ar.

Com diversos tipos, os filtros foram desenvolvidos para eliminar impurezas como partículas de metal geradas pela fricção das peças móveis do motor, além das derivadas da combustão

“No caso do de óleo, sua finalidade é evitar que tanto a contaminação gerada pelo desgaste de componentes mecânicos como a proveniente do meio externo circulem no sistema hidráulico e, assim, causem desgaste prematuro nos componentes lubrificados”, diz ele.

Já Luiz Malaquias, supervisor de serviços da JCB do Brasil, destaca que o filtro é desenvolvido para eliminar impurezas como partículas de metal geradas pela fricção das peças móveis do motor, além das derivadas da combustão. “O contato das peças internas do motor, como pistões, pode deixar impurezas”, explica. O de combustível, por sua vez, é responsável por bloquear as impurezas antes da combustão. “Localizado entre o tanque e o motor, ele evita que partículas acumuladas durante o transporte e armazenamento – como pó, ferrugem e água – cheguem à bomba de combustível e ao bico injetor”, completa Malaquias.

Nesse ponto, Tsuyama ressalta que o filtro “evita a circulação de contaminação no sistema de combustível da máquina, que pode causar problemas como o travamento de bicos injetores e falha na bomba de injeção”. “Além disso, um tipo de filtro muito utilizado é o separador de água, que tem a função de separá-la do combustível para evitar corrosão dos componentes do sistema de injeção”, descreve.

No caso do filtro de ar, sua função é reter partículas em suspensão e outros elementos, que podem entrar no motor durante o ciclo de admissão de ar. “Dessa forma, ele evita que contaminantes cheguem ao motor e causem o desgaste prematuro dos componentes internos, resultando, por exemplo, em um problema comum como o espelhamento de camisas”, diz Tsuyama. De acordo com Malaquias, esse filtro garante que somente o ar livre de impurezas chegue à câmara de combustão, evitando o desgaste prematuro de peças móveis do motor, como camisas, anéis, pistões e biela. “Em muitos casos, existe um pré-purificador, que retém parte das impurezas e deve ser limpo periodicamente”, acrescenta.

Filtros devem oferecer alta eficiência de filtragem, sem restringirem o fluxo de fluidos

De acordo com Bernardo Salles, engenheiro de aplicações e vendas da Cummins Filtration para a América do Sul, outro aspecto que deve ser levado em conta em relação aos filtros é a qualidade. “O que faz um produto se diferenciar dos demais é o fato de oferecer alta eficiência de filtragem, sem que haja um grau significativo na restrição do fluxo de fluido”, explica. “Em outras palavras, filtros de alto desempenho conciliam alta proteção com baixo impacto de performance dos motores.”

PROBLEMAS

Segundo Salles, estima-se que apenas 100 ou 200 g de poeira sejam suficientes para danificar seriamente um motor a diesel. Dessa maneira, a função do filtro é justamente oferecer a vazão de ar requerida pelo motor, livre desses contaminantes. “É indicado o uso de um componente de boa qualidade, uma vez que a granulometria dessas partículas tem dimensões mínimas e qualquer falha de fabricação pode acarretar em uma região sem filtragem”, diz. “Além disso, não basta somente usar filtros de ar de boa qualidade, mas também é preciso ter atenção ao período de troca, o que evita não só a perda de performance do motor, mas também o consumo excessivo de combustível.”

Sejam de boa qualidade ou não, sempre podem ocorrer problemas com os filtros. De acordo com Alexsandro Bastos, gerente de pós-venda da Liebherr Brasil, os principais estão relacionado ao uso de filtros paralelos (não originais) e procedimentos incorretos de manutenção. “Em ambos os casos, eles não operam de maneira adequada, deixando passar impurezas para o sistema”, diz. “Quanto à manutenção, os principais procedimentos inadequados que observamos no mercado incluem soprar o filtro para limpeza, além de lavagem e armazenamento incorretos.”

Aliás, muitas fabricantes garantem o funcionamento adequado de seus componentes somente quando são utilizados produtos genuínos. “Isso porque estão de acordo com as especificações técnicas determinadas em projeto”, sublinha Bastos, destacando que existem filtros novos no mercado que chegam a dar restrição acima do limite especificado. Por sua vez, Hugo Soares, analista de desenvolvimento de distribuidores da Komatsu, cita outros problemas recorrentes.

“Falhas como o rompimento do elemento filtrante, entupimento e ineficiência são as ocorrências mais comuns e, geralmente, causadas por negligência de manutenção preventiva, excesso de impureza nos sistemas, desgaste excessivo de componentes ou uso de filtros que não atendem às especificações”, diz.

Do mesmo modo, os problemas que as más condições dos filtros podem causar às máquinas também são vários. “Quando utilizado além da capacidade, o filtro de óleo, por exemplo, não cumpre adequadamente sua função, encurtando a vida e podendo até fundir o motor”, alerta Carlos Tavares, diretor da Paccar Parts Brasil. Quanto ao de ar, se a peça estiver muito suja, pode aumentar o consumo de combustível, causar perda de potência e elevar o nível de emissão de poluentes, além de acelerar o desgaste dos componentes internos do motor, como citado acima. “Já o de combustível, se estiver gasto, não irá reter partículas como ferrugem e resíduos do tanque, provocando perda de potência e possíveis danos ao motor”, completa o especialista.

Nesse ponto, Malaquias, lembra que um filtro de procedência duvidosa ou até mesmo de marca de primeira linha – mas que esteja em desacordo com as especificações da fabricante – pode causar danos à máquina ou perda de desempenho. “A quantidade e qualidade do material filtrante (mídia) faz total diferença na vida útil de um filtro”, informa. “Externamente, não é possível identificar esta caraterística e, portanto, a única forma de evitar estes riscos é utilizando exatamente a especificação do fabricante.”

De acordo com ele, um filtro de combustível vencido ou danificado pode comprometer a bomba e introduzir impurezas no sistema de injeção, especialmente nos bicos injetores. Isso pode provocar falhas e afetar o rendimento do equipamento. No caso do de óleo, o uso além do tempo estipulado pelo fabricante vai deixar que partículas passem para o motor, o que danificará peças como pistões, cilindros, anéis, válvulas, buchas, bronzinas e mancais. E, em casos extremos, poderá fundir o motor da máquina.

O filtro de ar, por sua vez, quando não é trocado, causa aumento no consumo de combustível. “O excesso de sujeira faz com que o propulsor tenha que fazer mais força para puxar o ar, elevando o consumo e permitindo a entrada de impurezas que atingem o motor”, avisa Tsuyama. “Além disso, o equipamento perde potência nas retomadas de velocidade.”

PREVENTIVAS

Embora nenhuma máquina esteja livre de apresentar problemas nos filtros, eles podem ser detectados a tempo, antes que causem maiores danos. Isso pode ser feito por meio de manutenções preventivas e preditivas, tais como análise e troca de óleo e filtro e verificação do estado do combustível. “Há ferramentas de análise de desgaste de óleo, como a Kowa, que funcionam como um exame aprofundado, capaz de identificar impurezas, contaminantes e desgastes irregulares nos principais componentes”, conta Soares.

De acordo com ele, o uso da análise de óleo fornece dados que podem aprimorar o planejamento e a previsão da manutenção. “Duas máquinas idênticas operando em ambientes diferentes podem produzir resultados diferentes em suas análises de óleo”, ressalta. “Se essas variáveis não forem consideradas na análise, o relatório pode não ser tão preciso e resultar em reparos desnecessários ou até gerar a falha de componentes.”
Malaquias recomenda verificações diárias dos filtros, bem como revisões conforme indicação do manual, respeitando o tempo e as horas indicadas pelo fabricante e sempre com peças originais.

“Os equipamentos normalmente contam com sistemas que sinalizam quando o item deverá ser trocado”, informa. “Estes avisos são visíveis inclusive à distância, por meio de sistemas de monitoramento.”

Há ainda outras maneiras de detectar problemas nos filtros a tempo. Salles, da Cummins, dá algumas dicas. “Aumento no consumo de combustível, perda de performance ou emissão excessiva de poluentes podem ser indicadores de problemas no sistema de filtragem”, diz. “No entanto, a percepção desses fatores, além de não ser simples, pode ser notada tardiamente, o que dificulta o planejamento de manutenção.”

Troca de filtros exige mão de obra especializada e produtos genuínos

Segundo ele, analisando dados da operação, sistemas como o Fleetguard Diesel Pro são capazes de checar se há alguma desconformidade e estimar a vida útil restante do produto. “De posse desses dados, a equipe de manutenção se programa para uma parada na operação, além de oferecer uma melhor condição de negociação de compra de peças”, explica.

TROCA

Com falhas ou não, chega um momento em que os filtros devem ser trocados. Isso varia conforme o tipo. “O de óleo deve ser substituído a cada troca do lubrificante, para que os detritos que já foram filtrados não prejudiquem o produto novo”, explica. “O de ar, por sua vez, deve ser trocado de acordo com as especificações, mas é preciso ter atenção maior em veículos que realizam atividades extremas em um trânsito carregado, zona rural ou de mineração. Já o de combustível deve ser substituído conforme orientações do fabricante.”

Segundo Tsuyama, em geral cada fabricante possui intervalo de troca de filtros pré-definido. “Basicamente, adotamos intervalos de troca de 250, 500, 1.000 e 2.000 h, dependendo do tipo, pois cada um possui uma vida útil pré-estabelecida”, conta. “No entanto, em equipamentos desenvolvidos para aplicações especiais os intervalos podem ter variações.”

Análise e troca de óleo e filtro, além da verificação do estado do combustível, são procedimentos indispensáveis de manutenção

Seja como for, para a troca de filtros recomenda-se mão de obra especializada, pois apesar de parecer simples, existem cuidados a serem tomados durante a substituição, como posicionamento e apertos corretos, limpeza do local e sangria de ar, por exemplo. Se esses procedimentos não forem realizados, o funcionamento do equipamento pode ser comprometido. “O recomendável é fazer a troca sempre com técnicos especializados, assim como o uso dos filtros genuínos”, diz Soares.

Além disso, durante a troca é importante dar atenção a procedimentos e verificações básicos, que podem evitar avarias futuras, tais como o torque de aperto dos filtros de óleo do tipo “cartucho”, que é feito com uma ferramenta especial, e a correta instalação das mangueiras de entrada e saída do de combustível, para evitar sua inversão, além de cuidados durante a troca do de óleo hidráulico, momento em que há a possibilidade de contaminação, optando-se pela manutenção em ambientes com menor nível de poeira e sujidade.

Saiba mais:

Cummins Filtration: www.cumminsfiltration.com/brazil/pt
JCB: www.jcb.com/pt-br
Komatsu: www.komatsu.com.br
Liebherr: www.liebherr.com/pt
Paccar: www.paccar.com