FECHAR
FECHAR
15 de fevereiro de 2016
Voltar
Entrevista

"As emissões englobam muito mais que a causa ambiental"

Gestora global de sustentabilidade da Atlas Copco desde 2013, a executiva Mala Chakraborti veio ao Brasil no final do ano para falar sobre os projetos da empresa nesta área cada vez mais importante para o setor. Durante palestra realizada na Câmara Sueca, em São Paulo, a especialista detalhou as principais iniciativas da fabricante para reduzir o impacto ambiental nas unidades produtivas, além do desenvolvimento de tecnologias mais eficientes e dos projetos sociais que a empresa apoia pelo mundo.

De origem indiana, Chakraborti é bacharel em biotecnologia pela Faculdade de Medicina de Kasturba, em seu país, além de possuir mestrados em bioquímica na Faculdade de Dartmouth (EUA) e em administração pela Stockholm School of Economics (Suécia). A executiva ingressou na Atlas Copco em 2012 na posição de coordenadora de responsabilidade corporativa, com a incumbência de realizar treinamentos, elaborar relatórios de acordo com as diretrizes de GRI (Global Reporting Initiative) e ainda atuar com gerenciamento de conflitos.

Durante esta entrevista exclusiva, Chakraborti destaca as estratégias utilizadas para tornar os produtos da marca mais eficientes, principalmente em relação ao consumo energético. Para a executiva, as metas ambientais são fundamentais para os negócios da empresa, que em 2015 galgou a 11ª posição (a mais alta no segmento industrial) no ranking das empresas mais sustentáveis do mundo elaborado anualmente pela revista norte-americana Newsweek. Acompanhe.

Em termos globais, como a empresa contribui para reduzir as emissões?

A Atlas Copco investe pesado na área de P&D – Pesquisa e Desenvolvimento, criando maneiras de tornar os produtos mais eficientes em relação ao consumo de energia nas diversas áreas em que atua, incluindo mineração e construção. Como trabalhamos com grandes equipamentos, que causam impactos ambientais igualmente relevantes, criamos soluções para que nossas perfuratrizes, por exemplo, possam trabalhar 24 horas por dia, com uma eficiência 50% superior à concorrência, evitando um aumento na emissão de poluentes.

Por que isso é importante?

Se não reduzirmos a emissão de poluentes como o CO2, por exemplo, provavelmente não teremos mais planeta no futuro. Nesse sentido, nosso objetivo como empresa é fazer a conexão entre a emissão de poluentes e o impacto que isso pode causar em nossos clientes, pensando também na parte econômica. Afinal, as emissões provêm basicamente do uso de energia que, dependendo da forma que é utilizada, pode causar impactos não só no meio ambiente, mas também nos custos do cliente. Ou seja, a escolha criteriosa da energia aplicada pode tornar a empresa mais competitiva. Já aquela que é mais poluente pode resultar em um maior impacto nos custos.