FECHAR
FECHAR
09 de junho de 2016
Voltar
Mercado

Pêndulo latino-americano

Número de projetos avança na América Latina, mostrando que os países da região finalmente começam a destinar recursos para superar os gargalos em infraestrutura
Por Marcelo Januário (Editor)

Em sua 14a edição, o relatório “Strategic 100” lista os 100 principais projetos de infraestrutura em 19 países da América Latina, que juntos somam investimentos de 180 bilhões de dólares. Produzido pela consultoria norte-americana CG/LA Infrastructure, o documento contempla oito diferentes setores e faz uma análise das tendências e oportunidades que emergiram em 2016.

Como destaque, o relatório aponta que os projetos de aeroportos previstos para os próximos 18 meses cresceram cerca de 50% no último ano, ao passo que o valor total de investimentos na verdade caiu, sugerindo que os investidores estão canalizando recursos para projetos de menor porte, que podem aumentar a capacidade dos terminais com custos mais baixos. Do mesmo modo, o volume de projetos de rodovias, estradas e obras de arte deram um salto de 75%, nesse caso com valor médio também em evolução. “Isto significa que os países da região finalmente começam a destinar recursos para superar os gargalos que inibem a produtividade e o crescimento”, escrevem os pesquisadores Sarah Andrews, Dan Batlle, Frank Hollowell e Jack Van Vleck, acrescentando que no setor de geração de energia o valor médio dos projetos cresceu 100%, refletindo o impacto do crescente interesse em energia renovável na região.

Nas tendências sub-regionais, o estudo indica que o valor total dos projetos na América Central (incluindo o México) recuou quase 70%, mesmo com a média de valor tendo permanecido praticamente inalterada. “Tal cenário reflete os efeitos da queda do preço do petróleo e do gás, que afetou a viabilidade financeira de curto-prazo de alguns dos projetos mais promissores na região”, diz o texto.

A despeito das dificuldades no Brasil, as oportunidades na América Latina como um todo cresceram aproximadamente 50%, em parte devido à retomada na Argentina, que avançou quase 70%. A despeito da marcha lenta dos preços das commodities, que formam a base da atividade econômica de muitos países latino-americanos, e dos problemas políticos que afetam algumas das maiores economias da região, o valor total de projetos também cresceu. “Em síntese, a América Latina continua a apresentar oportunidades tremendas para quem deseja e está apto a persegui-las”, resume o relatório.

Brasil emplaca 16 projetos

Dos 100 projetos listados pelo ranking, 16 estão no Brasil. O mais bem posicionado é


Em sua 14a edição, o relatório “Strategic 100” lista os 100 principais projetos de infraestrutura em 19 países da América Latina, que juntos somam investimentos de 180 bilhões de dólares. Produzido pela consultoria norte-americana CG/LA Infrastructure, o documento contempla oito diferentes setores e faz uma análise das tendências e oportunidades que emergiram em 2016.

Como destaque, o relatório aponta que os projetos de aeroportos previstos para os próximos 18 meses cresceram cerca de 50% no último ano, ao passo que o valor total de investimentos na verdade caiu, sugerindo que os investidores estão canalizando recursos para projetos de menor porte, que podem aumentar a capacidade dos terminais com custos mais baixos. Do mesmo modo, o volume de projetos de rodovias, estradas e obras de arte deram um salto de 75%, nesse caso com valor médio também em evolução. “Isto significa que os países da região finalmente começam a destinar recursos para superar os gargalos que inibem a produtividade e o crescimento”, escrevem os pesquisadores Sarah Andrews, Dan Batlle, Frank Hollowell e Jack Van Vleck, acrescentando que no setor de geração de energia o valor médio dos projetos cresceu 100%, refletindo o impacto do crescente interesse em energia renovável na região.

Nas tendências sub-regionais, o estudo indica que o valor total dos projetos na América Central (incluindo o México) recuou quase 70%, mesmo com a média de valor tendo permanecido praticamente inalterada. “Tal cenário reflete os efeitos da queda do preço do petróleo e do gás, que afetou a viabilidade financeira de curto-prazo de alguns dos projetos mais promissores na região”, diz o texto.

A despeito das dificuldades no Brasil, as oportunidades na América Latina como um todo cresceram aproximadamente 50%, em parte devido à retomada na Argentina, que avançou quase 70%. A despeito da marcha lenta dos preços das commodities, que formam a base da atividade econômica de muitos países latino-americanos, e dos problemas políticos que afetam algumas das maiores economias da região, o valor total de projetos também cresceu. “Em síntese, a América Latina continua a apresentar oportunidades tremendas para quem deseja e está apto a persegui-las”, resume o relatório.

Brasil emplaca 16 projetos

Dos 100 projetos listados pelo ranking, 16 estão no Brasil. O mais bem posicionado é o projeto de regulação e fiscalização de esgotamento sanitário AP5 (na 7ª posição), ainda em planejamento e que neste ano prevê investimentos de 640 milhões de dólares em saneamento no Rio de Janeiro (RJ). Outros destaques do país incluem a rodovia Ferrogrão (13a), concessões de estradas (16a) e projeto de saneamento (19a) em São Paulo e a ferrovia Maracaju-Lapa (22ª), dentre outros.