FECHAR
FECHAR
08 de abril de 2010
Voltar
Em foco

Pavimentadoras com controles mais amigáveis

Melhor acabamento no serviço de pavimentação, com ganhos de produtividade e maior facilidade na operação da vibroacabadora de asfalto. Essa é a proposta da Ciber com o desenvolvimento de duas tecnologias de controle de equipamentos que já estão presentes nos novos modelos da marca: os sistemas Easy Paving e Driving Control. O primeiro oferece ao operador, por meio de um display gráfico, uma melhor integração com o equipamento, como alarmes e diagnósticos sobre a operação.

O sistema Driving Control, por sua vez, presente apenas nas vibroacabadoras sobre esteiras AF 4000 e AF 5000, atua no controle e monitoramento dos sistemas de direção e transmissão do equipamento. Além de possibilitar movimentos mais suaves à máquina, ele permite realizar ajustes variáveis ou proporcionais com um preciso controle de velocidade. “Isso resulta em ganhos de produção e no melhor acabamento da superfície pavimentada”, afirma Luiz Marcelo Tegon, vice-presidente da Ciber.

Esse grau de precisão, segundo ele, faz com que a transmissão e a força do equipamento se ajustem automaticamente aos diferentes tipos de obras, o que evita retrabalhos na pavimentação. As equipes de engenharia e automação da Ciber investiram dez meses de trabalho no aprimoramento do sistema, mas ele não foi o único a exigir esforço no desenvolvimento.

Segundo Tegon, o painel de controle do sistema Easy Paving foi desenvolvido a partir de sugestões dos clientes. “Todos os comandos foram pensados para tornar o equipamento mais sensível e para a maior interação homem x máquina, tornando o produto mais independente e capaz de identificar necessidades de intervenção”, diz ele. Dessa forma, o operador visualiza todas as funções, alarmes e diagnósticos da máquina por meio de gráficos amigáveis e em tempo real. “Isso elimina o uso de instrumentos que, além de ocuparem espaço, necessitam de uma interpretação mais cuidadosa.”

Além das novas tecnologias, as vibroacabadoras da marca passaram a contar com uma central elétrica que reúne todos os componentes e sistemas da máquina em um único local. Todo o sistema é integrado, usando uma placa eletrônica de circuito impresso e controladores lógicos. Com isso, os equipamentos passam a contar com menor volume de chicotes e conexões, o que se traduz em menos problemas com os sistemas eletrônicos.