FECHAR
03 de maio de 2019
Voltar
Entrevista

PAULA ARAÚJO

Há mais de 15 anos no Grupo CNH Industrial, a atual vice-presidente da New Holland Construction para a América do Sul, Paula Araújo, reitera que o Brasil – por suas dimensões e pela necessidade inadiável de investimentos em infraestrutura – se mantém como um importante mercado para a empresa, especialmente para equipamentos da Linha Amarela.

Graduada em administração de empresas pelo Centro Universitário Newton Paiva com pós-graduação em gestão estratégica em marketing pelo Centro Universitário UNA e em gestão de projetos pelo Centro Dom Cabral, a executiva atuou por três anos na CNH Industrial na área de suporte ao pós-venda, passando em 2005 à New Holland Construction, onde atuou nas áreas de comunicação e nas gerências de marca e de marketing. Antes de assumir a vice-presidência da marca, o que ocorreu no início deste ano, ela também foi responsável pela gerência comercial de vendas da fabricante na Argentina.

Nessa trajetória, sua atuação no grupo tem sido pontuada por múltiplas atribuições e habilidades. Além de integrar o projeto de transição da FiatAllis para a marca atual, ela acumulou sólida experiência em áreas como exportação de peças, planejamento de eventos, desenvolvimento de rede, estratégias de vendas e pós-venda, brand communication e inteligência de mercado.

Nesta entrevista exclusiva à Revista M&T, dentre outros assuntos Paula Araújo discorre sobre o atual momento do mercado brasileiro de equipamentos de construção, destacando a importância crescente da exportação e as novas tecnologias que vêm sendo embarcadas nos equipamentos, além de comentar sobre o crescimento da presença feminina no setor. “Os momentos difíceis também abrem possibilidades de se encontrar novas oportunidades, se aproximar dos clientes e fomentar ideias criativas”, diz ela. Acompanhe.

  • Como é chegar à liderança de uma grande empresa em um dos momentos mais difíceis do mercado de construção no Brasil?

Ocupo cargos de liderança desde 2013, primeiro como gerente de brand marketing e, depois, como gerente comercial na Argentina, um país que se encontrava então em um dos momentos mais delicados de sua economia nos últimos anos. E, mesmo assim, conseguimos dobrar a participação de mercado da marca em apenas seis meses.

Isso mostra que os momentos difíceis também abrem possibilidades de se encontrar novas oportunidades, se aproximar dos clientes e fomentar ideias criativas. Sem dúvida, não foram os anos mais fáceis que já enfrentamos, mas com uma rede de concessionários consolidada, equipe treinada e comprometida, além de produtos que carregam tradição, inovação e qualidade, foi possível desenvolver o trabalho com competência e confiança.