FECHAR
15 de agosto de 2019
Voltar
A Era das Máquinas

O legado das carregadeiras de esteiras

Por Norwil Veloso

O modelo Drott TD 6 com caçamba 4 em 1, em imagem de 1954

Historicamente, o sucesso dos tratores de esteiras levou à criação de diversos implementos, inclusive para carga de materiais, desenvolvidos por um grande número de fabricantes. Eram comuns implementos do tipo carregadeira para tratores de esteiras, acionados por cabos, com a caçamba passando sobre a cabeça do operador. No final dos anos 50, a configuração convencional foi tomando conta do mercado, em lugar do sistema de carga passando sobre o operador, inclusive por questões de segurança.

É fato que a carregadeira de esteiras combina a estabilidade do trator com os recursos da carregadeira. Mas não é um simples trator adaptado. É uma máquina projetada para essa finalidade, com características específicas. Podia escavar solos graças à sua configuração, da mesma forma que os tratores e as escavadeiras, o que – por operar em solos de baixo suporte – deu-lhe algumas vantagens sobre esses concorrentes e sobre as carregadeiras de pneus durante certo período.

Uma das primeiras empresas a desenvolver esse tipo de implemento foi a Trackson. Em 1936, a empresa produzia conjuntos para as máquinas Caterpillar e, no ano seguinte, desenvolveu um sistema de carga de caminhões com acionamento a cabo e elevação vertical, que foi chamado de Traxcavator, específico para uso em tratores dessa marca.

Esse sistema era montado acima do capô, criando uma máquina bastante instável. As capacidades variavam de 0,4 a 1,5 m3, para aplicação em tratores D2, D4, D6 e D7. Posteriormente, o sistema de cabos e guinchos foi substituído por conjuntos hidráulicos, o que permitiu uma melhor distribuição de peso e tornou a máquina mais segura.

SUCESSÃO

Em 1951, a Caterpillar adquiriu a Trackson e manteve o nome Traxcavator para sua linha de carregadeiras de esteiras. Lançado em 1953, o primeiro modelo des


O modelo Drott TD 6 com caçamba 4 em 1, em imagem de 1954

Historicamente, o sucesso dos tratores de esteiras levou à criação de diversos implementos, inclusive para carga de materiais, desenvolvidos por um grande número de fabricantes. Eram comuns implementos do tipo carregadeira para tratores de esteiras, acionados por cabos, com a caçamba passando sobre a cabeça do operador. No final dos anos 50, a configuração convencional foi tomando conta do mercado, em lugar do sistema de carga passando sobre o operador, inclusive por questões de segurança.

É fato que a carregadeira de esteiras combina a estabilidade do trator com os recursos da carregadeira. Mas não é um simples trator adaptado. É uma máquina projetada para essa finalidade, com características específicas. Podia escavar solos graças à sua configuração, da mesma forma que os tratores e as escavadeiras, o que – por operar em solos de baixo suporte – deu-lhe algumas vantagens sobre esses concorrentes e sobre as carregadeiras de pneus durante certo período.

Uma das primeiras empresas a desenvolver esse tipo de implemento foi a Trackson. Em 1936, a empresa produzia conjuntos para as máquinas Caterpillar e, no ano seguinte, desenvolveu um sistema de carga de caminhões com acionamento a cabo e elevação vertical, que foi chamado de Traxcavator, específico para uso em tratores dessa marca.

Com 0,4 m3, o modelo Komatsu D20S foi lançado em 1972

Esse sistema era montado acima do capô, criando uma máquina bastante instável. As capacidades variavam de 0,4 a 1,5 m3, para aplicação em tratores D2, D4, D6 e D7. Posteriormente, o sistema de cabos e guinchos foi substituído por conjuntos hidráulicos, o que permitiu uma melhor distribuição de peso e tornou a máquina mais segura.

SUCESSÃO

Em 1951, a Caterpillar adquiriu a Trackson e manteve o nome Traxcavator para sua linha de carregadeiras de esteiras. Lançado em 1953, o primeiro modelo desenvolvido especificamente para esse fim recebeu o nome de No 6 Traxcavator. Em 1955, a empresa lançou uma linha composta pelos modelos 933C, 955C e 977D, ficando com três máquinas cobrindo a faixa de 0,75 a 1,7 m3 (1 a 2 ¼ j.c.). Em 1969, a linha foi ampliada com o modelo 983, de 3,8 m3 (5 j.c.) e, em 1980, com a 943 e a 973.

Em 1946, a Tractomotive desenvolveu o primeiro sistema de caçamba com acionamento hidráulico para uso em máquinas Allis-Chalmers, instalado num trator HD-5. Esta marca acabou por adquirir a Tractomotive em 1959, produzindo algumas das maiores carregadeiras da época, dentre as quais a HD-19G, de 3 m3 (4 j.c.).

Na mesma época, a Drott e a Service Supply produziram equipamentos similares para máquinas International, a partir dos quais a empresa desenvolveu sua própria linha de carregadeiras, com destaque para o modelo 250, que sobreviveu até os anos 90. A Bucyrus-Erie também produziu implementos hidráulicos para máquinas International, embora em escala menor que a Drott.

A carregadeira Traxcavator 977D lançada pela Caterpillar em 1955

Na Alemanha, a Frisch (em 1952) e a FX Meiller (em 1953) produziram implementos para tratores Hanomag e, posteriormente, para o Fiat 45 CI. Estas soluções, contudo, apenas escavavam o material e o descarregavam para trás da máquina, não podendo ser consideradas carregadeiras no sentido estrito. Somente a Schaeff DZ3, produzida a partir de 1954, era capaz de executar o processo convencional.

CONCEITOS

Em 1953, a Eimco lançou um novo conceito usando uma máquina com motor traseiro e cabina frontal, com o sistema de carregamento escavando na frente, passando sobre o operador e descarregando na traseira da máquina. Essa máquina foi produzida em diversos modelos, entre os quais o 105, usado no mundo inteiro. Outra máquina à frente de seu tempo foi a Hough 12, com caçamba de 1,3 m3 e alta velocidade de locomoção, mas que durou muito pouco tempo no mercado.

Diversos fabricantes de carregadeiras sobre esteiras procuraram desenvolver novas aplicações para seus produtos, além de aperfeiçoá-los. É dessa época a Kiener Buffel, com transmissão powershift Voith-Diwamatic, correspondente a um sistema totalmente automático, além de transmissões mecânicas cujas marchas podiam ser mudadas de forma independente, de acordo com o torque. As máquinas Buffel BL100 não tinham embreagens, enquanto a velocidade de movimentação era combinada com as condições de carga.

Outra solução diferenciada foi adotada pela Bergtechnik BL30 e BL60, que dispunha de uma saída dupla da transmissão que permitia acionar as esteiras em sentidos opostos para giro sobre seu eixo. Essa alternativa também foi usada pela Eimco e pela Case, que utilizaram conversores de torque independentes, mas a maioria optou pela solução convencional de frear uma das esteiras para fazer as curvas.

A Drott lançou a caçamba 4 em 1, que permitia executar diversos tipos de trabalho e podia ser acoplada nas carregadeiras menores de esteiras da International. Esse conceito foi bastante copiado e permitia que a máquina, além de carregar, executasse nivelamento, raspagem, lançamento de aterro, descarga parcial da caçamba e acerto de taludes. Esse recurso possibilitou a utilização dessas máquinas em muitas áreas de operação até os anos 80.

HIDROSTÁTICOS

Ainda na década de 70 foram instalados os primeiros sistemas hidrostáticos nos tratores de esteiras. Em 1971, a JCB lançou a primeira carregadeira com motor traseiro e tração hidrostática, solução que passou a ser usada por diversos fabricantes, uma vez que reduzia consideravelmente o desgaste da parte dianteira da armação dos roletes e das rodas-guia, que era um dos principais problemas dessas máquinas.

A Komatsu, que iniciou seus estudos na década de 60, lançou em 1972 uma linha de cinco modelos, do D20S, de 0,4 m3 (1/2 j.c.), até o D95S, de 3,2 m3 (4.2 j.c.). Essa linha foi seguida pelo D155S, de 350 hp e 5,5 m3 (5.9 j.c.), a maior carregadeira de esteiras produzida até hoje.

Essas máquinas foram muito populares até a metade da década de 60, quando as carregadeiras sobre pneus ainda não tinham bom desempenho em serviços pesados. Depois, foram relegadas a serviços específicos e acabaram por desaparecer devido à maior velocidade e manobrabilidade das máquinas sobre pneus.

Leia na próxima edição:
O asfalto produzido na pista