FECHAR
FECHAR
08 de agosto de 2017
Voltar
Pavimentadoras Compactas

Necessidade real

Atrelados à infraestrutura urbana, equipamentos de pequeno porte ainda sofrem os efeitos da retração econômica, mas já começam a vislumbrar saídas para o mercado
Por Joás Ferreira

A crise político-econômica que tomou de assalto o Brasil nos últimos anos, com origens internas e externas, também trouxe consequências sensíveis para o segmento de máquinas e equipamentos, na medida em que afetou o tão almejado equilíbrio financeiro, tanto nos níveis municipal e estadual quanto no federal.

Sem dúvida, um recorte muito particular dessa situação diz respeito às obras de pequeno porte, notadamente as relacionadas à infraestrutura urbana, como pavimentação de estradas e ruas. Dentro desse universo, tem-se o exemplo das pavimentadoras compactas, um segmento que apresentava nítido e robusto crescimento antes da crise, mas que acabou sofrendo forte desaceleração em função da débâcle geral.

Contudo, alguns players do setor já acreditam numa reação positiva desse mercado. Para Paulo Roese, representante para equipamentos de pavimentação da Caterpillar, por exemplo, embora a crise tenha se refletido nas cidades e nos respectivos projetos de infraestrutura viária, “a falta de confiança já se mostra menos intensa”. Nesse sentido, ele acredita que 2018 pode ser um ano “de investimentos e de possível retorno das parcerias público-privadas”.

Com isto, acrescenta, já é possível ver pequenas obras urbanas acontecendo pelo país. “Por outro lado, mesmo neste ambiente de incerteza econômica e política, continuamos investindo no desenvolvimento de novos produtos para atender às demandas do setor de infraestrutura”, assegura o executivo.

Também para Paulo Henrique Caetano Bruno, gerente da linha de negócios de equipamentos para construção de estradas da Dynapac, em breve “a volta do mercado certamente será uma realidade”, ainda que em níveis menores do que o boom desencadeado entre 2010 e 2014. A dúvida, segundo ele, fica por conta da velocidade com que isso ocorrerá. “As pavimentadoras de pequeno porte têm sido bastante exploradas pelos municípios em licitações públicas e o mercado de empresas privadas tem lançado um olhar especial para esse porte de equipamentos”, avalia. “O baixo investimento relativo, a facilidade de transporte, a manutenção e a operacionalidade são algumas das principais características dessas pavimentadoras, muitas vezes injustiçadas pelo termo ‘pequeno porte’, já que alguns modelos têm produção invejável quando comparadas aos equipamentos de médio e grande porte.”

SUPERAÇÃO

Bruno faz questão de frisar como a queda de investimentos em obras teve impacto profundo sobre todo o setor de equipamentos para construção. Segundo ele, “as empresas de construção também mudaram o comportamento, otimizando ao máximo os recursos e trabalhando em alta performance”. “Porém, além de gestão, trabalhar assim exige equipamentos de qualidade e com melhor custo-benefício, isto é, ter o equipamento certo para a obra certa”, diz.