FECHAR
FECHAR
29 de dezembro de 2014
Voltar
Torres de Iluminação

Luz nos canteiros

Essenciais para trabalhos noturnos ou em obras com luminosidade escassa, torres de iluminação viabilizam operações que não podem parar

Muitas vezes, quando o prazo de entrega das obras aperta, o trabalho noturno torna-se indispensável nos canteiros. O mesmo ocorre no lusco-fusco das minas, em condições absolutamente indiferentes aos raios do sol. E é nesse ponto que entra em cena um recurso pouco visível para muitos observadores, mas que permite que todos vejam com maior clareza. Evidentemente, estamos falando das torres de iluminação, que – além de eventos e outras aplicações pontuais – são maciçamente utilizadas na construção civil, mineração e em obras de infraestrutura como construção de estradas, aeroportos, portos, ferrovias e obras de arte.

De fato, não são só as operações noturnas que demandam estes equipamentos de apoio, como também locais que – mesmo de dia – contam com pouca iluminação, a exemplo do que ocorre na mineração e na construção de túneis, por exemplo.

Disponíveis em modelos com alcances variados, a depender da necessidade de aplicação, normalmente os equipamentos podem atingir alturas de até 9 metros e iluminar áreas de até 30 mil m², além de suportar variações drásticas de temperaturas e impactos de rajadas de ventos a mais de 100 km/h, como explica Manuel Sánchez Bada, gerente de engenharia da Himoinsa. “Em relação à autonomia, as torres também podem trabalhar mais de sete noites, sem precisar de reabastecimento”, diz ele, evidenciando as características dessas soluções. “Além disso, no verão as torres de iluminação trabalham durante toda a noite e, no inverno, geram luz 24 horas por dia, sendo que a luz natural é muito incipiente nesta época, aumentando a necessidade de luz artificial.”

Um dos modelos de destaque do portfólio da Himoinsa é a torre de iluminação a Apolo Start 4006 (ou AS4006), que, como informa Bada, tem nove metros de altura e está preparada para resistir a temperaturas que variam de -20°C a 45°C, além de possuir autonomia de trabalho de até 70 horas ininterruptas. Ou seja, não é por falta de luz que a obra vai parar.

DIFERENCIAIS

Outro diferencial deste tipo de equipamento é a praticidade do transporte, um fator evidentemente muito valorizado por responsáveis de projetos construtivos, assim como no setor de mineração, no qual as equipes precisam se deslocar de um lugar a outro nas jazidas, em função das diversas fases de extração.