FECHAR
FECHAR
18 de abril de 2016
Voltar
Pavimentação

Hora de remodelar o negócio

Fabricantes de equipamentos para construção de estradas aproveitam o interlúdio trazido pela crise para reformular conceitos produtivos e estratégias de mercado

Como é de conhecimento geral, a drástica retração econômica no país deve-se a inúmeros fatores. Contudo, o principal nó a ser desatado ainda é a instável situação política, cujos reflexos são sentidos mais fortemente nos setores que dependem, justamente, de decisões de cunho político.

Dentre os mais onerados pelo momento turbulento está o segmento de construção de estradas, profundamente dependente de licitações de obras públicas para seu bom andamento. Não é por outro motivo que esta indústria enfrenta uma das maiores quedas na indústria brasileira, da ordem de 60% – ou até mais, em casos específicos. É aí que entra com força total o comércio exterior, atual protagonista nos reduzidos negócios das empresas instaladas no Brasil, que usam suas plantas como centro distribuidor para outros mercados da região e, muitas vezes, também para outros continentes.

É o caso da Volvo CE, que hoje tem seu ranking de vendas ainda liderado pelo Brasil, seguido por Chile, Colômbia, Panamá e México. Segundo Babliton Cardoso, que já foi responsável pelo desenvolvimento da área de roadbuilding para a América Latina da companhia sueca e atualmente é diretor comercial da SDLG Latin America, o resultado pífio nas vendas internas em 2015 foi em parte compensado pelos mercados externos. “O Peru cresceu bastante no último ano, assim como a Bolívia, e ambos suplantaram o México, que já foi o principal destino dos produtos fabricados aqui”, diz. “De fato, estes dois países surpreenderam pelo desempenho.”

E, a despeito da crise por aqui, a Volvo CE continua investindo em treinamento, que vem sendo seu bastião nas diferentes frentes de negócios em que atua. “No ano passado, tivemos em média 15 sessões de treinamento em nosso Road Institute, uma ou mais por mês”, pontua. “Muito além dos aspectos técnicos e operacionais, o objetivo é maximizar a produtividade e a rentabilidade dos nossos clientes.”

OTIMIZAÇÃO

De olho na otimização de resultados – e na expectativa por dias melhores, naturalmente –, a Volvo CE aproveitou a boa receptividade ao Road Institute para criar posteriormente o projeto “Pavimentando o Futuro”, em parceria com instituições de ensino brasileiras e, em um futuro próximo, também latino-americanas. A ideia é aproximar os futuros engenheiros do universo da construção de estradas que, como esclarece Cardoso, apesar do momento econômico turbulento, continua evoluindo em direção aos mais altos níveis de eficiência. “Isso implica diretamente em novas tecnologias, para as quais estamos nos antecipando na preparação desses profissionais, que serão os empresários do setor em médio e longo prazo”, pondera.