FECHAR
FECHAR
08 de setembro de 2017
Voltar
Elevadores

Eficiência no transporte em altura

Com baixo custo de instalação e altos níveis de segurança, elevadores de cremalheira brigam por espaço na movimentação de cargas e pessoas a grandes velocidades

Em setores complexos como construção, petroquímica, hidrelétrica, siderurgia e offshore, as grandes obras normalmente necessitam transportar pessoas e cargas verticalmente, erguendo-as do solo ou de outra superfície até alturas elevadas. E uma das melhores opções para realizar este trabalho são os elevadores de cremalheira, máquinas para transporte vertical que funcionam por meio de engrenagens para movimentar cargas pesadas a velocidades consideráveis.

Estruturalmente, esses equipamentos têm em média entre 2 e 3 m de comprimento e 1,1 m e 1,5 m de largura, podendo transportar até 2 t a uma velocidade de 40 m/min. Isso significa que essa máquina tem uma grande força motriz e pode transportar ferramentas, materiais e pessoas, com segurança e eficiência. A maioria dos modelos existentes no mercado é equipada com features como torre metálica feita de tubos de aço carbono, cabine com fechamento (lateral e superior) em tela metálica, porta articulada ou tipo guilhotina, escada interna para acesso ao teto, piso antiderrapante e sistema elétrico de operação.

A movimentação do equipamento é feita por uma estrutura circular dentada, denominada pinhão, que faz movimentos rotativos sobre uma superfície com pinos simétricos, chamada de cremalheira. São peças simples e de fácil montagem, que podem ser transportadas com facilidade, devido ao seu tamanho compacto e baixo peso.

Nas obras, esse tipo de máquina pode ser instalado tanto na fachada da construção quanto no poço do elevador que será colocado de forma definitiva no prédio. Para evitar acidentes, o equipamento possui freios de segurança do tipo paraquedas, que são acionados automaticamente quando a descida exceder em 15% a velocidade normal. Além disso, alguns modelos dispõem de outros dispositivos de segurança, como um sistema que só permite sua movimentação quando as portas estiverem completamente fechadas, garantindo a integridade de tudo o que estiver sendo transportado no seu interior.

Outro sistema, de travas elétricas, é acionado quando a capacidade máxima de carga do elevador é ultrapassada, bloqueando o movimento. Isso garante que a máquina não será forçada e a subida será feita sem incidentes.

SEGURANÇA

Segundo o engenheiro Dirceu José Ramos, diretor da Metax no Brasil, há outros itens importantes na lista de dispositivos de segurança dessas máquinas. Entre eles está um sistema que só permite a abertura das portas e cancelas com o elevador nivelado, assim como amortecedores de impacto de velocidade nominal na base. “Além disso, há modelos com o último módulo superior sem régua, o que impede o tracionamento da cabine caso ultrapasse os limites de parada final”, diz ele. “Há ainda mecanismos que impedem que a cabine ultrapasse a última parada inferior ou superior, enquanto outros evitam que ela se desprenda acidentalmente da torre.”

Produção editorial: Revista M&T – Desenvolvido e atualizado por Diagrama Marketing Editoral