FECHAR
FECHAR
15 de agosto de 2019
Voltar
Entrevista

EDSON PEEV

PARCERIAS DISPARAM O DESENVOLVIMENTO TÉCNICO

Com mais de 20 anos de atuação nas áreas comercial e de pós-venda da Herrenknecht no Brasil, o engenheiro Edson Peev tem acompanhado de perto a evolução tecnológica no mercado de túneis e perfuração mecanizada, um processo que, segundo ele, tem sido impulsionado principalmente pelo aumento da urbanização em todo o mundo. Isso também vem ocorrendo no Brasil, país que ademais necessita de infraestrutura em diversos níveis, como mostram as recentes – e importantes – obras de ampliação dos sistemas de metrô em capitais como São Paulo, Salvador e Rio de Janeiro.

Formado em engenharia mecânica pela Faculdade de Engenharia Industrial (FEI), Peev já atuou como gerente de projetos em várias indústrias, passando anteriormente pelos segmentos químico, petroquímico, automotivo e de alimentos, nos quais atuou em empresas como General Motors e Unilever.

Tecnologia atual permite construir túneis sob níveis inéditos de pressão, diz Peev

O atual engenheiro sênior da Herrenknecht no Brasil também tem uma participação setorial de destaque, tendo sido tesoureiro do Comitê Brasileiro de Túneis (CBT) e integrado a comissão organizadora de duas edições do Congresso Brasileiro de Túneis e Estruturas Subterrâneas e uma do Congresso Mundial de Túneis (WTC), realizado em Foz do Iguaçu (PR) em 2014. Também faz parte do conselho diretor da Associação Brasileira de Mecânica dos Solos e Engenharia Geotécnica (ABMS), à qual o CBT pertence.

Nesta entrevista exclusiva à Revista M&T, dentre outros assuntos Peev discorre sobre as avançadas tecnologias desenvolvidas recentemente pela indústria para operações em locais de topografia complexa, como em áreas densamente construídas, com travessias sob corpos d’agua ou mesmo em cordilheiras e demais áreas sensíveis. “Por meio da moderna tecnologia os túneis hoje podem ser construídos exatamente onde são necessários”, ele comenta. “E isso porque, diferentemente do que ocorria no passado, as tuneladoras agora se adaptam às condições geológicas e topográficas do local da obra.”