FECHAR
FECHAR
14 de janeiro de 2013
Voltar
Tecnologia

Correção de pressão em tempo real

Desenvolvido pela Pirelli, sistema Cyber Fleet permite obter economia na manutenção e, em breve, poderá ser aplicado em qualquer tipo de pneumático

No final de 2012, a Pirelli anunciou o lançamento de um novo sistema que permite controlar a temperatura e a pressão dos pneus de caminhões de forma constante e automatizada. Atuando em tempo real e on-line, o sistema Cyber Fleet utiliza sensores eletrônicos e de telemetria que segundo a fabricante proporcionam uma significativa economia nos custos operacionais dos veículos, principalmente com a redução do consumo de combustível e o aumento da vida útil do pneu.

O sistema consiste no emprego de um dispositivo, o Tyre Mounted Sensor (TMS), posicionado dentro do pneu. Envolto por uma capa de borracha que o protege contra o processo térmico, o TMS monitora a pressão e a temperatura, tornando possível que o gestor da frota realize procedimentos de diagnóstico e intervenção, de forma precisa. Além disso, o sistema exerce também a função de identificador de cada pneu instalado no veículo, fornecendo dados confiáveis e facilitando a gestão integrada dos equipamentos.

Segundo o diretor de marketing Agro e Truck da Pirelli na América Latina, Flavio Bettiol Jr., o Cyber Fleet é um produto exclusivo da Pirelli e que apresenta quatro itens importantes que prolongam a vida útil dos pneus e dos caminhões, além de ajudar a preservar o meio ambiente: segurança, manutenção da frota, economia de combustível e preocupação com a sustentabilidade.

“Quando você trabalha com a pressão adequada para a carga correta que está sendo transportada, obviamente o rendimento do pneu vai ser muito melhor e a carcaça vai fadigar muito menos, prolongando a vida do pneu, com economia de custos de cerca de R$ 600 por veículo ao ano”, diz.

Testes

A Pirelli realizou os testes iniciais com a nova tecnologia na Europa, antes de trazê-la ao Brasil e testá-la entre grandes empresas brasileiras de transporte de passageiros e mercadorias. Nessa etapa, o Cyber Fleet foi aplicado em 13 veículos, percorrendo cerca de quatro mil quilômetros e utilizando 78 sensores. Segundo a empresa, os dados recolhidos mostraram que todos os pneus analisados rodaram com pressão abaixo da recomendada, sendo que exatamente a metade indicou uma pressão até 10% inferior.

Os testes em campo foram realizados com a colaboração de parceiros da Pirelli, como a Schrader Electronics para o sensor, a Magneti Marelli para o receptor e o fornecedor brasileiro de serviços Autotrac, empresa especializada e


No final de 2012, a Pirelli anunciou o lançamento de um novo sistema que permite controlar a temperatura e a pressão dos pneus de caminhões de forma constante e automatizada. Atuando em tempo real e on-line, o sistema Cyber Fleet utiliza sensores eletrônicos e de telemetria que segundo a fabricante proporcionam uma significativa economia nos custos operacionais dos veículos, principalmente com a redução do consumo de combustível e o aumento da vida útil do pneu.

O sistema consiste no emprego de um dispositivo, o Tyre Mounted Sensor (TMS), posicionado dentro do pneu. Envolto por uma capa de borracha que o protege contra o processo térmico, o TMS monitora a pressão e a temperatura, tornando possível que o gestor da frota realize procedimentos de diagnóstico e intervenção, de forma precisa. Além disso, o sistema exerce também a função de identificador de cada pneu instalado no veículo, fornecendo dados confiáveis e facilitando a gestão integrada dos equipamentos.

Segundo o diretor de marketing Agro e Truck da Pirelli na América Latina, Flavio Bettiol Jr., o Cyber Fleet é um produto exclusivo da Pirelli e que apresenta quatro itens importantes que prolongam a vida útil dos pneus e dos caminhões, além de ajudar a preservar o meio ambiente: segurança, manutenção da frota, economia de combustível e preocupação com a sustentabilidade.

“Quando você trabalha com a pressão adequada para a carga correta que está sendo transportada, obviamente o rendimento do pneu vai ser muito melhor e a carcaça vai fadigar muito menos, prolongando a vida do pneu, com economia de custos de cerca de R$ 600 por veículo ao ano”, diz.

Testes

A Pirelli realizou os testes iniciais com a nova tecnologia na Europa, antes de trazê-la ao Brasil e testá-la entre grandes empresas brasileiras de transporte de passageiros e mercadorias. Nessa etapa, o Cyber Fleet foi aplicado em 13 veículos, percorrendo cerca de quatro mil quilômetros e utilizando 78 sensores. Segundo a empresa, os dados recolhidos mostraram que todos os pneus analisados rodaram com pressão abaixo da recomendada, sendo que exatamente a metade indicou uma pressão até 10% inferior.

Os testes em campo foram realizados com a colaboração de parceiros da Pirelli, como a Schrader Electronics para o sensor, a Magneti Marelli para o receptor e o fornecedor brasileiro de serviços Autotrac, empresa especializada em tecnologias aplicadas ao monitoramento e rastreamento de frotas.

Segundo Flavio Bettiol Jr. já em 2013 o Cyber Fleet será adotado por 30 das maiores frotas brasileiras de transporte de mercadorias e passageiros, sendo que a empresa espera vender entre 10 e 15 mil sensores no país durante o ano.

Concepção

De acordo com o especialista de pós-venda da Pirelli Tyres, Luiz Fernando Trincha, o sistema visa a analisar especificamente o pneu que está com problemas, sem a necessidade de se fazer a análise da cada pneu individualmente.

“O Cyber Fleet faz a análise apenas do pneu que requer calibração. Em um Bitrem, por exemplo, que conta com 34 pneus, quando chega para avaliação não é necessário realizar a verificação de todos os pneus”, explica Trincha. “Com isso, é possível ganhar tempo, reduzir custo com mão de obra e, principalmente, alongar a vida útil do pneu, que passa a trabalhar com a pressão correta, além de apresentar uma menor resistência ao rolamento, economizando em combustível.”

O sistema destaca-se pela simplicidade de concepção. O sensor TMS é acoplado à parte interna do pneu, integrando-se aos sistemas de gestão e transmitindo dados simultaneamente para o motorista do caminhão e o gerente da frota. Outra facilidade é que o Cyber Fleet roda via web, sem a necessidade de instalação de um sistema específico no computador. Segundo Trincha, basta o cliente inserir o nome de usuário e a senha pessoal para visualizar o status de toda a frota.

Com isso, é possível verificar a localização do veículo, a pressão e a temperatura de seus pneus e a pressão corrigida, realizando os ajustes e procedimentos necessários para evitar maiores danos aos pneus. Outro detalhe importante é que o Cyber Fleet pode ser utilizado em versão estática ou dinâmica. Na estática, os dados captados pelo sensor podem ser lidos com o veículo parado por meio de um leitor externo que recebe, para cada pneu equipado com o sensor, as informações de temperatura e pressão. Os dados podem então ser transferidos para um computador para análise e arquivamento.

“Essa solução é indicada para as frotas que não contam com um sistema de rastreamento via telefone ou via GPS”, acrescenta Bettiol Jr. “Sendo assim, por meio dos sensores colocados no pneu o funcionário responsável pode registrar automaticamente as pressões e as temperaturas dos pneus em cada veículo.”

Já na versão dinâmica, a integração com o sistema da empresa Magneti Marelli possibilita a exibição simultânea de sinais dos sensores montados no veículo e sua transmissão telemática para uma central de dados.

O receptor recebe as informações a cada três minutos, enviando as anomalias de pressão e temperatura, em tempo real, por meio de uma conexão de internet com aplicativo específico.

Investimento

De acordo com Bettiol Jr., a vida útil de um sensor é de cerca de quatro anos, ou 300 mil quilômetros, que equivalem à vida útil média de um pneu de caminhão no Brasil e na América do Sul. Se considerarmos o investimento necessário para sua implantação, a nova tecnologia também tem tudo para se disseminar rapidamente nas frotas brasileiras. “O custo do sensor deve variar de US$ 30 a US$ 35 e a solução de hardware, de aproximadamente US$ 300 por veículo”, diz.

Segundo Bettiol Jr., nesse primeiro momento o Cyber Fleet será aplicado apenas em pneus de caminhões rodoviários. Mas, como destaca o diretor, em breve a empresa também começará a realizar testes em mineradoras e no segmento agrícola. “O Cyber Fleet pode ser aplicado em qualquer tipo de pneumático”, afirma. “Com o lançamento desse sistema, a Pirelli busca fidelizar os clientes e oferecer, além de produtos, uma prestação de serviço de alta confiabilidade.”