FECHAR
FECHAR
31 de outubro de 2014
Voltar
Automação

Controle total

Ferramentas avançadas permitem que equipamentos de terraplanagem realizem uma operação mais uniforme e precisa, reduzindo custos e aumentando a produtividade
Por Thomas Tjabbes

Avançando a passos ainda tímidos no país, as ferramentas de machine control (orientação e automação operacional) oferecem a possibilidade de precisão milimétrica no acabamento dos serviços de terraplanagem. Por isso, aos poucos vêm ganhando mercado em diversas frentes, principalmente na construção de rodovias com curvas horizontais e taludes, onde a uniformidade e a precisão dos movimentos são essenciais.

Segundo John Fierro, representante de vendas na área de construção da Trimble, cerca de 80% das empresas nos EUA e Europa possuem interesse em adotar os sistemas, sendo que 20% delas já o fizeram. No Brasil, o especialista indica que há dificuldades em aferir a demanda atual, mas avalia que alcança apenas 0,1% da frota total, com adoção dos sistemas principalmente em equipamentos responsáveis pelo acabamento final na terraplanagem. “Mas nos próximos 10 anos, poderemos ver um aumento dessas tecnologias, chegando a equipar até 5% da frota em operação, o que seria um avanço excelente, considerando o tamanho e a variedade da nossa frota”, avalia.

Para quantificar a representatividade desse mercado em nível global, Robson Augusto, gerente de negócios da Leica Geosystems na América do Sul, afirma que as tecnologias de machine control – desenvolvidas há pouco mais de 15 anos – acompanham pari passu o mercado da construção. Dados divulgados por ele apontam que 34% das obras estão no eixo Ásia-Austrália, em um ranking que aponta ainda a Europa e EUA (ambos com 24%). Já a América Latina, representaria apenas 8% desse total. “É importante frisar que as fabricantes não enxergam essas tecnologias como uma substituição à falta de operadores qualificados e sim como um complemento para auxiliar na qualidade final do trabalho”, afirma. “Isso porque os sistemas de automação não fazem todo o trabalho, mas interagem com o operador de acordo com cada projeto, replicando a posição de cada sensor no painel.”

Segundo José Luiz Trottenberg, sócio-gerente da Getefer, distribuidora de implementos para construção e mineração que representa a linha de estaqueadoras da Movax no Brasil, a automação representa um grande avanço para o mercado de equipamentos, constituindo uma solução que aperfeiçoa o trabalho e obtém resultados mais precisos e seguros. “Por conta disso, conseguimos melhorar a operação dinâmica em grandes obras, onde a rotatividade de operadores é muito grande”, exemplifica. “E é justamente nesse ponto que a tecnologia auxilia o operador mais novo a gerar resultados superiores e seguros.”