FECHAR
FECHAR
08 de março de 2018
Voltar
Compactos & Ferramentas

Controle preciso de ruídos

Utilizados em atividades com risco potencial de exposição a níveis elevados de ruído, os dosímetros podem evitar problemas graves de saúde, como a perda auditiva
Por Melina Fogaça

No setor da construção e em outros ramos produtivos, os trabalhadores muitas vezes ficam expostos a ruídos extremos ao longo de sua jornada de trabalho. Afinal, os diversos setores industriais, assim como muitos canteiros, contam com máquinas e equipamentos em suas linhas de produção que podem gerar ruídos acima do suportável pelo sistema auditivo humano, afetando diretamente a saúde dos trabalhadores.

É justamente para mensurar o nível sonoro a que um trabalhador se expõe em sua jornada normal de trabalho que existem os dosímetros de ruídos (ou áudio-dosímetros), que são dispositivos previamente configurados e instalados diretamente no usuário para que, durante sua atividade diária, seja realizada a medição da intensidade sonora em tempo real.

Por ser extremamente portátil, o aparelho pode ser fixado em trabalhadores de diversas funções, sendo indicado para qualquer tipo de atividade considerada insalubre pela exposição contínua ao ruído sonoro, como explica Faiblan Ferreira, diretor da Criffer. “O equipamento é voltado para técnicos e engenheiros de segurança do trabalho para avaliação de ruído em postos de atuação”, comenta o especialista. “O dosímetro permite gerar laudos e registros da análise realizada, sendo indicado tanto para medidas preventivas como corretivas.”

De acordo com o engenheiro da Instrutherm, Cristiano Mollica, o critério atualmente utilizado no Brasil é realizar a medição de ruídos em locais onde geralmente são encontrados níveis de pressão sonora superiores a 80/85 dB, para 8 horas de exposição, como ocorre em siderúrgicas, fábricas, canteiros, serralherias ou quaisquer ambientes em que se utilizem prensas, ferramentas e maquinários ruidosos. “No Brasil, os níveis de tolerância são determinados por normas como a NR-15, para atividades e operações insalubres, e a NHO-01, que estabelece procedimentos de avaliação da exposição ocupacional ao ruído”, detalha Mollica. “Por meio das tabelas contidas dessas normas é possível verificar o limite de tempo de exposição a determinado nível de pressão sonora, além do qual podem ocorrer diversos problemas de saúde, principalmente a perda auditiva induzida pelo ruído.”

APLICAÇÃO

Para efetuar a análise do ruído a que o trabalhador se expõe, mede-se inicialmente a exposição ao ruído acumulado no ambiente, cujos dados – após coletados – são tomados como base para determinar-se a necessidade de aplicação de ações que reduzam a absorção humana do som produzido.

Produção editorial: Revista M&T – Desenvolvido e atualizado por Diagrama Marketing Editoral