FECHAR
FECHAR
11 de maio de 2015
Voltar
Agronegócio

Campo tecnológico

Eletrônica embarcada torna-se cada vez mais comum em equipamentos agrícolas no Brasil, inserindo o país entre os polos mais avançados em tecnologias aplicadas à lavoura
Por Marcelo Januário (Editor)

A tecnologia definitivamente chegou às lavouras no Brasil. Atualmente, recursos de agricultura de precisão tornam-se cada vez mais comuns no plantio e na colheita, principalmente de grãos, um dos setores mais fortes do agronegócio nacional e que bate recordes sequenciais de produtividade graças também à adoção crescente dessas soluções.

Em bom exemplo disso são os Campos Gerais no Paraná, uma região pioneira em mecanização agrícola na qual o uso intensivo de tecnologia já é realidade. Um dos berços do plantio direto nos anos 70, a região – que no passado já assistiu à implantação de técnicas inovadoras de conservação de solo – vive agora mais uma renovação conceitual, dessa vez representada pela introdução de maquinários inteligentes que melhoram a qualidade do grão, reduzem as perdas e, consequentemente, aumentam a lucratividade do negócio.

No caso da soja, por exemplo, espera-se um crescimento de 11% da safra 2014-2015, com 95,8 milhões de toneladas colhidas. Desde a última safra, a produtividade cresceu de 47,6 sacas por hectare para 50,7 por hectare, em parte graças ao uso de recursos de agricultura de precisão, que permitem a aplicação direcionada de insumos de acordo com as necessidades de cada ponto da lavoura. “De fato, a eletrônica embarcada é cada vez mais comum nesta região, de modo que quebrou-se um tabu quanto a isso, com máquinas cada vez maiores e sofisticadas”, comenta Davi Lunardi, diretor da TratorNew, uma das principais concessionárias da New Holland Agriculture no país, atingindo 61 municípios da região Sul. “Nesse sentido, o Brasil está alinhado com o que há de mais moderno em tecnologias agrícolas no mundo. Mapas de produtividade e piloto automático, por exemplo, começam a se difundir mais aqui.”

Recentemente, inclusive, a fabricante controlada pelo Grupo Fiat quebrou mais uma barreira ao tornar-se a primeira marca a oferecer recursos como GPS e piloto automático a pequenos agricultores. Desde março, a empresa oferece os recursos no trator TL 75 cabinado pelo programa governamental Mais Alimentos, disponibilizando prazos de até 10 anos para pagamento, com juros de 2% e até três anos de carência.

Outra ação inovadora foi adotada no início do ano, quando a marca fechou uma parceria com a Cargill que possibilita a troca de máquinas novas por grãos, tornando-se a primeira empresa do mercado nacional a lançar mão dessa modalidade. Tais estímulos, evidentemente, podem auxiliar os agricultores na adoção das tecnologias, constituindo uma importante alavanca para a popularização dos sistemas eletrônicos avançados no campo brasileiro.