FECHAR
FECHAR
26 de setembro de 2011
Voltar
Locação

Adequando a frota para novos serviços

Diante das oportunidades oferecidas pelo mercado, as locadoras de equipamentos investem na ampliação da frota para a oferta de novas modalidades de serviços

Para uma atividade que há pouco mais de cinco anos se caracterizava pela baixa expressividade no setor de construção pesada, a locação de equipamentos caminha para uma rápida profissionalização como estratégia para sua consolidação. Desde 2004, quando respondiam por 13% do consumo nacional de máquinas de terraplenagem, até o presente ano de 2011, quando as empresas do segmento já são responsáveis por 25% dos equipamentos de construção vendidos no Brasil – isso mesmo, um quarto de todas as escavadeiras hidráulicas, pás carregadeiras, retroescavadeiras, rolos compactadores e demais máquinas de grande porte – o salto não foi apenas quantitativo.

O fato é que, diante das oportunidades oferecidas pelo mercado, as locadoras de equipamentos vêm revelando apetite e habilidade para o desenvolvimento de novas modalidades de negócios. A Escad Rental, por exemplo, que em 2004 operava com uma frota de 300 equipamentos e um faturamento de R$ 22,6 milhões, multiplicados para nada menos que 510 equipamentos e receitas de R$ 61 milhões em 2010, planeja a expansão de suas atividades com a oferta de novos tipos de serviços.

Segundo Eurimilson João Daniel, diretor da locadora, ela está programando investimentos na frota para a oferta de equipamentos em modalidades como a geração de energia, serviços de concretagem e movimentação de cargas. Sem revelar valores e quantidades, a empresa anunciou a aquisição de grupos geradores, empilhadeiras, plataformas aéreas de trabalho e possivelmente de guindastes de menor capacidade para operação em terrenos difíceis, os RTs (rough terrain).

Crescimento sustentável

Daniel destaca que a possibilidade de investir em guindastes de menor capacidade (abaixo de 40 t) se apoia na necessidade apresentada pelo mercado brasileiro por máquinas de alta mobilidade para operação em canteiros de obras com espaço reduzido para manobras. “Já na área de equipamentos para concretagem, o nosso foco será nos caminhões betoneiras”, diz ele.

Ele explica que mesmo nesse mercado – onde há empresas que locam equipamentos juntamente com o fornecimento do concreto e do serviço de concretagem in locu – a Escad continuará direcionando o seu foco exclusivamente no aluguel dos equipamentos. “Obviamente, manteremos a flexibilidade para a oferta de diferentes modalidades de locação, o que inclui a oferta da máquina com ou sem operador, com ou sem combustível e outras variáveis.”