FECHAR
FECHAR
05 de fevereiro de 2014
Voltar
A Era das Máquinas

A vez dos orientais: Da ferramentaria à construção e mineração

Inicialmente fabricante de prensas e máquinas-ferramentas, a japonesa Komatsu consolidou uma posição relevante nas áreas de construção e mineração no decorrer do século XX
Por Norwil Veloso

A reconhecida fabricante japonesa Komatsu nasceu em 1917 como uma subsidiária da Takeuchi Mining Industry, sendo inicialmente destinada à produção de máquinas-ferramentas e equipamentos de mineração para uso exclusivo da controladora. A empresa só se tornaria independente em 1921, sob o nome Komatsu Ltd., mantendo-se como fabricante de máquinas-ferramentas. O primeiro trator agrícola sobre esteiras produzido pela marca só seria lançado em 1931.

Durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), a empresa ampliou suas operações no setor ao fornecer blindagens para artilharia antiaérea e tratores com lâmina. Após o conflito, o principal produto desenvolvido foi um trator de esteiras totalmente redesenhado, que começou a ser produzido em 1947. Posteriormente, a Guerra da Coreia (1950-1953) também seria um fator importante para o crescimento da empresa, com diversas encomendas para o abastecimento das tropas norte-americanas. Na época, aliás, a linha de produtos também passou a contar com veículos militares.

CONSOLIDAÇÃO

Embora a empresa mantivesse a produção de prensas como principal negócio, a gama de equipamentos se ampliaria progressivamente com a introdução de novas linhas e modelos, como o trator de esteiras D50 (1947), motores a diesel (1948), motoniveladoras (1952), empilhadeiras, caminhões OTR, veículos especiais e blindados (1953), canhões autopropelidos (1959), carregadeiras (1965), escavadeiras hidráulicas (1968) e sistemas de pipe-jacking (1977).

Na década de 60, o pujante crescimento econômico do Japão propiciaria uma expansão mais consistente à empresa. Tanto que, durante as duas décadas seguintes, a empresa saltaria do status de pequeno fabricante local para concorrente de peso no mercado global de construção. As atividades internacionais já vinham aumentaram desde 1955, quando ocorreram as primeiras exportações de prensas e equipamentos de construção.

Neste processo de desenvolvimento, a Komatsu firmou importantes acordos de cooperação técnica com diversas organizações e empresas, como o Ministério da Defesa da Índia, para fabricação local de tratores (1958), a Cummins, para fabricação e venda de motores (1961), a Bucyrus-Erie (1963-1981) e outras. Em 1970, outro grande passo seria dado com o primeiro investimento direto nos Estados Unidos, que resultou na implant


A reconhecida fabricante japonesa Komatsu nasceu em 1917 como uma subsidiária da Takeuchi Mining Industry, sendo inicialmente destinada à produção de máquinas-ferramentas e equipamentos de mineração para uso exclusivo da controladora. A empresa só se tornaria independente em 1921, sob o nome Komatsu Ltd., mantendo-se como fabricante de máquinas-ferramentas. O primeiro trator agrícola sobre esteiras produzido pela marca só seria lançado em 1931.

Durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), a empresa ampliou suas operações no setor ao fornecer blindagens para artilharia antiaérea e tratores com lâmina. Após o conflito, o principal produto desenvolvido foi um trator de esteiras totalmente redesenhado, que começou a ser produzido em 1947. Posteriormente, a Guerra da Coreia (1950-1953) também seria um fator importante para o crescimento da empresa, com diversas encomendas para o abastecimento das tropas norte-americanas. Na época, aliás, a linha de produtos também passou a contar com veículos militares.

CONSOLIDAÇÃO

Embora a empresa mantivesse a produção de prensas como principal negócio, a gama de equipamentos se ampliaria progressivamente com a introdução de novas linhas e modelos, como o trator de esteiras D50 (1947), motores a diesel (1948), motoniveladoras (1952), empilhadeiras, caminhões OTR, veículos especiais e blindados (1953), canhões autopropelidos (1959), carregadeiras (1965), escavadeiras hidráulicas (1968) e sistemas de pipe-jacking (1977).

Na década de 60, o pujante crescimento econômico do Japão propiciaria uma expansão mais consistente à empresa. Tanto que, durante as duas décadas seguintes, a empresa saltaria do status de pequeno fabricante local para concorrente de peso no mercado global de construção. As atividades internacionais já vinham aumentaram desde 1955, quando ocorreram as primeiras exportações de prensas e equipamentos de construção.

Neste processo de desenvolvimento, a Komatsu firmou importantes acordos de cooperação técnica com diversas organizações e empresas, como o Ministério da Defesa da Índia, para fabricação local de tratores (1958), a Cummins, para fabricação e venda de motores (1961), a Bucyrus-Erie (1963-1981) e outras. Em 1970, outro grande passo seria dado com o primeiro investimento direto nos Estados Unidos, que resultou na implantação da Komatsu America Corporation.

A partir da década de 80, a Komatsu intensificaria os movimentos rumo ao exterior, implantando subsidiárias nos EUA, Reino Unido, Alemanha e Bélgica. Essa postura expansionista continuaria na década seguinte, com a abertura de subsidiárias na Austrália, Hong Kong, Vietnã, China, Brasil, Itália, Tailândia e África do Sul, sendo que diversas iniciativas incluíam fábricas locais para produção de diferentes modelos de equipamentos. No período, inclusive, foi inaugurada a primeira fábrica nos EUA, em uma estratégia de competição com a Caterpillar.

MUDANÇAS

Ainda em 1989, a empresa concluiu que a meta de competição com a Caterpillar trazia impactos deletérios sobre sua estrutura de gestão. A solução foi alterar a filosofia da empresa, que passou a se projetar como uma “empresa de tecnologia total” e a priorizar investimentos no desenvolvimento de novos produtos. Com isso, a meta passou a ser “Growth, Global, Groupwide”, uma política reforçada pela compra de participações em diversas empresas, como a italiana Sai SpA (1991) e a alemã Hanomag (1995). Também foram estabelecidas novas joint-ventures, incluindo a Cummins Engine (1993), a Applied Komatsu (1993) e a Industrial Power Alliance (1998), entre outras.

Nessa mesma época, a empresa iniciou um ousado processo de diversificação, passando a atuar nas áreas de eletrônica – que passaria a ser sua segunda maior atividade –, reciclagem e outras.

Em 1994, a Komatsu assumiu o controle total da Komatsu Dresser, alterando o nome para Komatsu America International Company. Em 1995, a empresa lançou o então maior caminhão do mundo (o 930E) e, quatro anos depois, a maior carregadeira do mundo com tração mecânica (a WA 1200). Em 1996, entrou no mercado de mineração após unir-se à Demag na produção de escavadeiras de grande porte, um movimento reforçado com a aquisição simultânea da Modular Mining Systems, que fabricava sistemas eletrônicos para gerenciamento de minas.

REESTRUTURAÇÃO

O processo incluiu o encerramento definitivo de três fábricas e a venda de participações na área de eletrônica, além de esforços para simplificar a estrutura de direção e aumentar a agilidade operacional da empresa. Passada a turbulência, a Komatsu adquiriria a norte-americana Hensley (2000) e a sueca Partek Forest (2004), já no novo século.

Leia na próxima edição: A chave para a evolução nas rodovias