FECHAR
FECHAR
07 de março de 2018
Voltar
Alimentadores Vibratórios

A evolução de um conceito

Com novos materiais e configurações, a tecnologia de alimentadores vibratórios vem permitindo uma expansão consistente de seu uso para um conjunto maior de aplicações
Por Antonio Santomauro

Direcionar agregados e produtos de mineração menos densos e/ou úmidos (como bauxita e calcário) às estações de britagem primária é a tarefa mais comumente atribuída aos alimentadores vibratórios, que também são utilizados em setores como a siderurgia e o agronegócio, dentre outros. O transporte, porém, constitui apenas a vertente básica da atividade desses equipamentos, que através da incorporação de opcionais podem ainda realizar pré-classificações e até mesmo controlar a velocidade do fluxo de alimentação.

Estruturalmente, os alimentadores vibratórios são soluções relativamente simples, na maioria dos casos compostas por uma superfície em aço de alta resistência a desgaste – denominada “mesa” –, que vibra pela ação da somatória de forças da movimentação de dois eixos dotados de contrapeso. Em um desenho mais tradicional, esses dois eixos são unidos por engrenagens, sendo movimentados por um único motor. Mas alimentadores vibratórios dotados de dois motores, um para cada eixo, vêm ganhando espaço já há alguns anos no mercado brasileiro.

Uma das adeptas dessa segunda concepção é a Metso, cujos alimentadores atuais são majoritariamente fabricados com dois eixos acionados por motores individuais, com autossincronismo e lubrificação a graxa. Em alguns casos, a fabricante também disponibiliza alimentadores de motor único, com caixas excitadoras de engrenagens lubrificadas a óleo. “A opção das caixas excitadoras destina-se a aplicações mais exigentes como, por exemplo, movimentação de materiais extrapesados, ou então quando o equipamento precisa operar ininterruptamente, tornando-se mais difícil fazer a manutenção da lubrificação”, destaca Alexandre Silva, gerente de venda de produto da Metso.

Outra partidária da configuração dos eixos acionados por motores independentes – que adotou há cerca de três anos – é a FBC Máquinas, companhia de Santa Bárbara D’Oeste (SP) que atua nos mercados de agregados e mineração. Para o diretor comercial da empresa, Fernando Berlato de Camargo, uma das vantagens mais evidentes dos alimentadores com motores individuais para cada eixo é justamente a manutenção, uma vez que os equipamentos com um só motor exigem mais cuidados, pois as engrenagens necessárias à operação estão mais sujeitas a quebra. “Nosso sistema atual, com dois vibradores independentes e acionamento direto por eixo cardam, proporciona perfeito sincronismo para o mecanismo de vibração”, ressalta o executivo.

Produção editorial: Revista M&T – Desenvolvido e atualizado por Diagrama Marketing Editoral